-

Regra de três (ou mais)

Zeitgeist da coquetelaria mundial, o Negroni (30 ml de Campari + 30 ml de vermute doce + 30 ml de gim) ganha inúmeras variações

Da redação - Publicado em 07/04/2018, às 11h00

A equilibrada mistura de doce e amargo permaneceu encolhida nas cartas por quase um século. Com o revival do gim e dos bitters, o clássico italiano virou moda e ganha alquimias inimagináveis. 

Adorado na Argentina, o Americano é uma das versões mais consagradas do drinque: num copo com gelo, 30 ml de Campari, 30 ml de Vermute Tinto, uma fatia de laranja e água com gás para completar.

Para realçar a doçura do coquetel, que tal agregar uma fatia generosa e aromática de laranja-bahia cristalizada à receita (foto)? No Cadilac Burger, em São Paulo, é assim! 


No Anexo São Bento, outro endereço paulistano, o mixologista Zulu junta partes iguais de gim, vermute e Campari. E puxa o amargor ao adicionar um toque generoso de Fernet e uma ousada pitada de sal. 


* Esta reportagem foi originalmente publicada na edição #1 da Revista Sabor.club. Para assinar, acesse http://sabor.club/assine/