O orégano é uma das ervas mais utilizadas na cozinha -

O orégano é uma das ervas mais utilizadas na cozinha

Quais são as melhores ervas para usar na cozinha?

Para cozinhar com ervas, primeiro cheire e prove. O resultado aguça a memória gustativa e induz como podem ser usadas

Da redação - Publicado em 16/05/2019, às 12h00

Embora existam regrinhas básicas para o uso de ervas, como alecrim numa marinada para carne porco, dill para peixe e tomilho para carne vermelha, elas nem sempre precisam ser seguidas. Os franceses fazem assim na Provence. A intenção é ser livre para descobrir o caminho que mais lhe agrada. A célebre sopa de peixe bouillabaisse, por exemplo, leva um mix de ervas perfumadas, como erva doce, tomilho, manjericão e salsa.

No oriente, é comum ver misturas de ervas secas, o que dá origem ao zahtar, com hortelã, orégano e tomilho. Com ervas, o céu é o limite e é isso o que torna o uso tão fascinante. Claro, se feito com sensibilidade. Em entrevista a Sabor.club, por exemplo, o chef Jefferson Rueda cita o controverso coentro para ilustrar o que fala. “É uma erva com sabor intenso. Se exagerar, a comida fica com o gosto dela. Aí, ninguém aguenta, mesmo. Do contrário, ela é uma ferramenta e tanto para incrementar o tempero de inúmeras receitas.”

Cerefólio – Versão sofisticada da salsa, um pouco mais aromática. Ótima com frango, peixe,
saladas. As folhas frescas são mais intensas que as frescas.

Salsa crespa – Uma joia para usar em carnes, molhos, omeletes, legumes. E perfeita para finalizar pratos.

Cebolinha francesa – Tem o gosto da cebolinha comum, porém mais acentuado. Fácil de combinar com pescados e aves.

Estragão francês – Tem sabor persistente e levemente picante. Vai bem com quase tudo. E é ótimo para aromatizar molhos.

Azedinha – Ácida, salgada, saborosa. Para molhos, saladas, sopas. Experimente com requeijão e iogurte.

Dill – Aroma fresco e marcante, levemente picante. Além de pescados, use para temperar molhos brancos.

Flor de manjericão – Tem o cheiro e sabor da folha, embora mais suave e salgadinho. Pode até substituir o sal em pescados, por exemplo.

Sálvia – Sabor ligeiramente apimentado e refrescante. Combina com carnes gordas e fortes, como o fígado. Ótima para recheios em geral.

Tomilho limão – Levemente cítrico e muito aromático. Fica incrível com mexilhões.

Alfazema – Levemente adocicada e muito aromática. Sim, vai bem na comida, especialmente em marinadas e com frutas.

Orégano – Fresco ele é ainda mais forte e levemente amargo. Ótimo para contrastar com sabores adocicados, como o das massas.

Leia mais:

Os segredos da erva-mate

Quais os melhores temperos?

Seque você mesmo

Fazer o processo deixa o sabor muito melhor

Algumas ervas são tão boas quanto secas. Melhor ainda se o processo de desidratação acontecer pouco tempo antes do uso. Para fazê-lo, basta amarrar um raminho e pendurar num lugar seco e arejado, sem contato direto com o sol. Com o tempo, as folhas começam a secar naturalmente. Use e perceba a diferença.

Como manter as ervas fresquinhas

1 - Lave bem em água fria.

2 - Seque com papel toalha.

3 - Corte o excesso de hastes e coloque num jarro com água fria.

4 - Troque a água a cada dois dias.

5 - As ervas mais delicadas, como o coentro, devem ser cobertas com um saco de papel fino.

 

*Este texto foi publicado originalmente na revista Sabor.club #26, que está na melhores bancas por todo Brasil. E nas bancas digitais também www.zinio.com  e www.goread.com.br. Ou assine clicando aqui  sabor.club/assine.

Leia também