-

Programa Crazy Delicious tem jardim com fonte de vinho e o chef Heston Blumenthal

Nova competição culinária do Netflix cria cenário 'psicodélico' onde tudo é comestível

Da redação - Publicado em 26/06/2020, às 15h00

"Oi. Só estava aqui regando as plantas", diz a comediante e apresentadora Jayde Adams, de peruca ruiva e figurino psicodélico, antes de dar uma mordida e comer um pedaço do regador. É assim que começa o primeiro dos seis episódios de Crazy Delicious, programa de competição culinária britânico de feições 'psicodélicas', que estreou nesta sexta-feira, 12 de junho, no Netflix.

LEIA MAIS

» Panela de cobre é que faz comida boa, dizem os chefs. Você sabe por quê?

» No dia de São João, nosso Quentão segue as palavras do imortal Antônio Houaiss

 

No cenário que é uma espécie de floresta mágica, remetendo à 'Fantástica Fábrica de Chocolate' (na versão cinematográficas de Tim Burton), quase tudo é comestível. Das frutas, folhas e flores, aos ovos nos ninhos das árvores. Há pedras de chocolate e até uma fonte de Prosecco, que serão utilizadas pelos cozinheiros amadores para compor pratos de aparência fantástica em busca da 'Maçã de Ouro', o troféu em disputa.

Para acompanhar e julgar os competidores foi escalado um trio influente na alta gastronomia: o chef inglês Heston Blumenthal, do Fat Duck, um três estrelas Michelin que fez história na chamada gastronomia molecular; a chef televisiva e autora americana Carla Hall, e o chef Niklas Ekstedt, expoente sueco da comida feita na brasa.

A expectativa é grande por um novo modelo para as já saturadas competições culinárias televisivas, embora o programa não tenha sido bem recebido pela crítica especializada britânica.

 

>Você sabia que a revista Sabor.club tem também o Clube Sabor.club? Ele é o 1º clube de descobertas gastronômicas do Brasil. Para conhecer, clique aqui.