-

O Pão das Meninas traz ingredientes da horta e o tempero da vida em comunidade

As cinco mulheres moram juntas e trabalham em casa com galinha e cabra no centro de Curitiba

Pedro Landim - Publicado em 30/06/2020, às 15h00

No quintal da casa no bairro de São Francisco, em pleno centro de Curitiba, tem galinha, pato e até duas cabras, que dão leite para a ricota e a massa do bolo.

Na horta crescem taioba, capuchinha, azedinha, ora-pro-nóbis e outros caprichos da natureza, ingredientes para massas frescas como tagliolinis e fettuccines.

E o pão, é claro, alimento que define e nomeia o trabalho das cinco mulheres que dividem o mesmo teto e os ideais de vida:

"Não começou como um projeto ou ideia, éramos oito pessoas morando juntas e alguém tinha que fazer o pão", conta Camilla Maciel, sobre a origem do Pão das Meninas, um coletivo de produção artesanal da Casa da Videira, a organização paranaense que, segundo seu estatuto, promove encontros de aprendizado e trocas de experiências, voltada para educação e a cidadania, com foco na agricultura familiar.

 

 

LEIA MAIS

» Rene Seifert e o pão mais fácil do mundo

» Como o tamanho do copo afeta seu gosto pelo café

 

"Fazíamos a receita mais simples, na panela e no forno caseiro, assando uma vez por semana para congelar. O pão foi ficando bom e de vez em quando tínhamos a oportunidade de vender na feirinha de uma escola", conta.

Além de Camilla, o grupo que há dois anos coloca a mão na massa de forma 'profissional' para a produção de pães, bolos, massas, molhos e kombuchas tem Helena Novelletto, Bruna Silveira, Débora Feniman e Giovana Oliver, todas com idades entre 17 e 37 anos.

 

 

Em 2018, uma parceria com o professor e padeiro Rene Seifert, um dos idealizadores da Casa da Videira, levou capacitação e um financiamento coletivo para a compra de equipamentos, e a produção decolou. No sistema alternativo onde não há patrão, as meninas começaram a abrir a casa para eventos gastronômicos baseados em massas distintas, oferecidas em grande mesa comunitária.

Comunidade, aliás, é um termo de muitos significados que elas preferam não utilizar. Com o celular no viva voz, conversaram juntas com a Sabor.Club e definiram assim o cotidiano na casa:

"Somos um grupo de amigos que mora e trabalha junto, e aposta em forma de vida voltada para o bem comum".

 

 

O menu semanal que as meninas produzem traz coleção de massas frescas feitas com Pancs, páprica, cacau e ingredientes colhidos na horta, assim como pizzas, focaccias, bolos como o red velvet de beterraba, e pães variados como os de batata, ameixa e o banana bread, feito com passas ao rum e Castanha-do-Pará.

 

 

Há também bebidas artesanais como kombucha e kvass, um fermentado à base de pão de centeio, e toda sexta-feira tem retirada das encomendas no portão da casa, ou no sistema de delivery com informações disponíveis no perfil @opaodasmeninas, no Instagram.

 

>Você sabia que a revista Sabor.club tem também o Clube Sabor.club? Ele é o 1º clube de descobertas gastronômicas do Brasil. Para conhecer, clique aqui.