O Negroni de Cesar Griffo é feito com 45 ervas diferentes -

O Negroni de Cesar Griffo é feito com 45 ervas diferentes

Negroni de autor: a versão da clássica bebida por Cesar Griffo

O mixologista Cesar Griffo preparou todos os ingredientes para criar o drinque perfeito. Então, engarrafou a bebida

Da redação - Publicado em 13/09/2019, às 12h00

Nada menos do que 45 receitas. Esse foi o número de combinações criadas pelo mixologista paulista Cesar Griffo até chegar ao equilíbrio perfeito entre a doçura, amargor e intensidade que buscava para compor o seu N45, versão já pronta e engarrafada do clássico negroni.

O drinque italiano, que completa um século este ano, viu sua popularidade crescer mundialmente nos últimos anos – no Brasil, é presença certa na carta dos bares mais concorridos. Para muitos, um dos motivos do sucesso é o fato de o negroni ser um drinque praticamente à prova de erros: leva partes iguais de gim, vermute e bitter (tradicionalmente, Campari). Mas se é tão simples de preparar, por que Griffo teve de testar tantas fórmulas para alcançar o resultado que queria?

Veja também:

O Negroni branco

Negroni ganha inúmeras variações

Magic Booze: a cerveja instantânea

[Colocar Alt]

O mixologista explica: no N45, todos os ingredientes foram desenvolvidos do zero. Bartender desde os 18 anos, ele já produzia desde o início da carreira o próprio vermute, que aprendeu a fazer com o pai. “Ao longo do tempo, fui aperfeiçoando a receita”, conta. O vermute usado no N45 contém um mix com mais de 20 ervas e descansa em barris de carvalho por cerca de três meses. Já o bitter leva ervas, raízes e flores; e o gim, por sua vez, contém mais de 10 botânicos, infusionados separadamente por três semanas.

Os ingredientes são combinados com precisão matemática (mesmo: Griffo é matemático de formação) e, antes de ir para a garrafa, a mistura passa por outra infusão com cascas cítricas frescas. “Para trazer aquele gostinho da casca da laranja que o bartender coloca no copo do cliente ao servir o drinque”, explica o criador.

O drinque engarrafado foi lançado em 2017 com o nome negroni Ricetta 45, por Griffo e seu sócio, o administrador Leandro Faria. Este ano, além de ser rebatizado, o N45 ganhou novo visual. As charmosas garrafas de 500 ml e 1 litro, inspiradas em frascos de farmácias antigas, continuam com o mesmo formato, mas o vidro âmbar passou a ser pintado de preto. O rótulo, trocou o mood retrô por uma pegada mais contemporânea. Um drinque que vive seu auge aos 100 anos de idade não poderia mesmo parar no tempo.

INCREMENTE SEU NEGRONI

Algumas sugestões do Cesar Griffo para variar os sabores desse clássico

Chocolate Negroni - Num copo baixo com gelo, coloque 60 ml de negroni N45, 2 dashes de bitter chocolate e raspas de chocolate amargo.

Negroni mule - Numa coqueteleira com gelo, misture 50 ml de negroni N45, 10 ml de xarope de gengibre e 5 ml de suco de limãosiciliano. Coe em um caneca de cobre e complete com club soda. Decore com um ramo de alecrim.

Old hundred - Defume um copo baixo com grãos de café queimados com um maçarico. Reserve. Em uma coqueteleira, bata 60 ml de negroni N45 com 10 ml de suco de limãosiciliano e gelo. Coe no copo defumado com gelo e decore com uma casca de limãosiciliano e um pedaço de pau de canela queimado com maçarico. 

Conde bom de copo

Foi num bar em Florença que o negroni foi servido pela primeira vez

De acordo com a versão mais difundida sobre a origem da bebida, o coquetel foi criado pelo bartender Fosco Scarselli a pedido do conde Camillo Negroni. Depois de uma longa temporada entre caubóis nos Estados Unidos, o nobre queria emoções mais fortes no copo e pediu a Scarselli que desse uma turbinada em seu Americano. O bartender, então, substituiu a água com gás do coquetel por uma dose de gim. O cliente gostou – e como! De acordo com o livro Coquetel Negroni – uma lenda italiana, do bartender Luca Picchi, o conde foi aconselhado por um amigo, numa carta datada de 1920, a não beber mais de 20 negronis por dia (mas especula-se que o drinque era servido em pequenos cálices naquela época).

 

*Esta reportagem foi publicada originalmente na revista Sabor.club #30, que está na melhores bancas por todo Brasil. E também na banca digital www.zinio.com.

ASSINE JÁ A REVISTA SABOR.CLUB. DESCONTOS DE ATÉ 76%

Leia também