-

Kraeuterkaese! O queijo fundido com ervas é um clássico das delicatessens

Difícil de pronunciar e gostoso de comer, o produto é fabricado há quase meio século em Santa Catarina

Robert Halfoun - Publicado em 11/02/2021, às 15h30

Seleção Sabor.Club: O Kraeuterkaese é um dos produtos selecionados pela curadoria da Sabor.Club para o Sabor Clube.

Eu era uma criança, nos anos 1970, quando, todo sábado pelas manhãs, meu pai me levava para um ritual: ir até a hoje extinta delicatessen Dibracco, no Leblon, no Rio, para comprar as gostosuras para o fim de semana. Iam para a sacola uns embutidos, pão preto, cervejinha importada (para o Seu Eli), um creme de ricota feito por lá que ele adorava e a tal da bisnaga de queijo fundido com o nome que eu mal conseguia pronunciar, mas era ótimo de falar exagerando no acento alemão: crrrróooooiter-quêze!

 

LEIA MAIS

» Feito com leite de cabra, o Queijo Serra do Lopo tem o interior amanteigado

» Mel da Mata Atlântica paulista muda de sabor com as variações da natureza


Eu achava que ele vinha importado da Alemanha (estava enganado) numa bisnaga que parecia de pasta de dente. Eu ficava fascinado com aquela embalagem. E depois com o gosto forte do parmesão fundido misturado com a erva que dá nome ao queijo.

Ao espremer o tubo, a gente não percebe que a planta está lá... Até colocar na boca. Fica uma delícia com o que você imaginar. Especialmente com torradinhas de brioche, que têm aquela notinha adocicada.

Na época, naturalmente, eu não bebia. Mas hoje, posso garantir: a combinação com um bom Gerwürtraminer faz crescer asas nas suas costas.

Embora trouxesse todas as características de um produto germânico, o kraeuterkaese começou a ser produzido por aqui, há 40 anos, na cidade de Pomerode, em Santa Catarina. Era lá onde morava o Seu Opa, na verdade Guilherme Ziehlsdorff. Ele era um apaixonado por queijos. Tanto que, em 1948, lá foi ele, a bordo de um surrado Ford Mercury, rumo a Juiz de Fora, em Minas, para participar de um curso com mestres-queijeiros que tinham vindo da Alemanha. A viagem durou três dias, mas valeu a pena. Aprendeu a fazer o queijo fundido com a planta que dá nos Alpes suíços e o produziu até vender a sua empresa, aos 82 anos.

Hoje, a receita do Seu Opa é reproduzida à risca pelos Laticínios Pomerode, criado em 2002, pela família Mendes, criadora da Cervejaria Eisenbahn, de Blumenau. Recentemente, eles renovaram o visual da bisnaga (um fetiche para quem gosta de design) e introduziram novos sabores – com tomate seco, cebola, pimenta Sriracha. E, por razões comerciais, diminuíram o tamanho da “kraeuterkaese”, dando destaque para o nome “creme de parmesão”.

Para mim, será sempre o “crrrróooooiterquêze!”, que eu como desde moleque.