-

A Disney do queijo

Fazenda no interior de São Paulo é uma delícia para quem quer entender como se produz o latícinio – da vaca à mesa

Da redação - Publicado em 09/09/2018, às 09h00

Imagine um ambiente rural típico e muito arrumado, com vaquinhas fofas que produzem um dos melhores leites do mundo. Elas são da raça Simental, trazida pela o Brasil pela família Breuer, há quase 40 anos. Depois de destacarse no cenário do agronegócio, o casal Martin Breur e Maristela Nicolelis resolveu fazer mais com o belo produto que produziam. Nasceu a
Queijaria Santa Luizia, que hoje tem 18 tipos de queijos curados, muito especiais, no seu portifólio. São joias como o Tropeiro, de massa cozida, coberto por cinza vegetal durante o processo de maturação, sabor suave e textura amanteigada.


Para ver como são feitos, da ordenha até a mesa, passando pela câmara de maturação, a fazenda em Itapetininga, a 171 quilômetros da capital paulista, faz visitas guiadas, instrutivas e muito agradáveis, não raro conduzidas pelos próprios donos do lugar. Na fazenda, é possível ainda fazer oficinas de queijos, tomar aquela café da manhã dos sonhos ou uma refeição harmonizada com simpático restaurante local. Ainda há, claro, uma lojinha na qual todos os produtos estão à venda.

A queijaria, é importante dizer, faz parte do projeto Caminho do Queijo Artesanal Paulista, no qual 10 produtores se uniram para mostrar ao Brasil que se faz queijo bom também fora de Minas. Com uma diferença: além da tradição, eles pregam uma liberdade criativa que possibilita a inovação e o surgimento de novas variedades e estilos. Realmente vale a pena ver isso de perto. www.fazendasantaluzia.com.br

OS MATURADOS
É difícil definir qual é o melhor produto da queijaria
Braukäse – É o queijo do cervejeiro, feito com cerveja e com o gosto dela.
Pioneiro – Tem o gosto do terroir local com sabor único e pronunciado.
Bandeirante – Com massa semi-crua, sabor suave e ótimo para ser derretido.
Castanho – Duro e picante, cura durante 2 anos (!) em câmara subterrânea.
Dionísio – Lavado com vinho branco gaúcho. Suave, a massa começa a “derreter” com o passar do tempo.
Giramundo – É o primo brasileiro do famoso Queijo do Reino, na Holanda.
Simental – É um dos nossos preferidos. Suave porém muito saboroso.

*Esta reportagem foi publicada originalmente na revista Sabor.club #12, que está na melhores bancas por todo Brasil. E também na banca digital www.zinio.com. Ou assine clicando aqui  sabor.club/assine.