-

Coquetel Gibson renasce em O Gambito da Rainha, o grande sucesso da Netflix

Descubra o toque especial no Martini que encanta a personagem Beth Harmon, fenômeno do xadrez e boa de copo

Pedro Landim - Publicado em 05/01/2021, às 19h00

Foi o primeiro drinque de Beth Harmon, a cativante e complexa protagonista de O Gambito da Rainha, uma das séries de maior sucesso na história do Netflix. Apesar dos problemas com o álcool vividos pela personagem que é um fenômeno do xadrez, o coquetel a acompanha no roteiro em momentos de emoção como lembrança da mãe adotiva, que lhe apresentou a bebida numa das primeiras viagens de avião da dupla pelos Estados Unidos dos anos 1960, atrás das grandes competições.

Voando na noite de Natal, a mãe lhe oferece a taça durante o jantar. Beth bebe e reage:

- É bom. É um Martini?

Alma, a mãe, responde:

- É um Gibson. Eu acho a cebola ligeiramente mais refinada do que a azeitona.

 

 

LEIA MAIS

» Luzes, câmera... Spaghetti! Exibimos cenas memoráveis do macarrão no cinema

» Emily em Paris com chocolate: a maravilha francesa encanta a musa do Netflix


Pois está aí o Gibson, em linhas gerais: um Martini com cebola em conserva, no lugar da azeitona. Certamente o aporte de sabor é maior, dependendo de como foi feita a cebola no picles agridoce, e esse é o motivo pelo qual o coquetel divide opiniões: há os que amam, e os que renegam.

De qualquer forma, sem dúvida, é um coquetel cinematográfico. Entre suas aparições nas telas está a série Mad Men, nas mãos do personagem Roger Sterling (Don Draper, o protagonista, preferia o Old Fashioned). Bem antes, no filme Intriga Internacional, de 1959, o personagem de Cary Grant bebia Gibsons, assim como Betty Davis na pele de Eve, em A Malvada, de 1950.

O coquetel teria sido criado pelo empresário de San Francisco Walter D.K. Gibson, buscando sair da mesmice, no final do século 19, no Bohemian Club. Sabe-se que o Gibson apareceu pela primeira vez descrito no livro The World’s Drinks And How To Mix Them, de William Boothby, em 1908.

O bom bartender, cozinheiro ou bebedor não vai demorar a perceber que o segredo da minicebola no lugar da azeitona está na conserva, que pode estragar o conjunto em caso de versões industrializadas ordinárias, de doçura artificial. Ou seja: é nas conservas de tempero caseiro que a brincadeira do coquetel ganha complexidade e graça. No mais, tudo o que precisamos é de gin e vermute seco.

Cebola em conserva

Ingredientes

- 2 xícaras de vinagre de maçã

- 1 e 3/4 de xícara de água

- 1 xícara de açúcar

- 1 colher de sopa de sal

- 1/2 colher de sopa de especiarias de sua preferência, como canela, cravo, pimenta do reino, sementes de mostarda, alho e louro

- 230 g de minicebolas

Preparo

• Em uma panela, misture todos os ingredientes, exceto a cebola e leve para ferver. Adicione a cebola e ferva por um minuto

• Retire a panela do fogo, despeje a cebola e todo o líquido em um recipiente com tampa, deixe a salmoura esfriar e leve à geladeira por algumas horas antes de usar. Conserva-se em refrigeração durante quatro semanas

 

Gibson
(1 drinque)

Ingredientes

- 60 ml de gin

- 30 ml de vermute branco seco

- 1 col. de café da salmoura da minicebola

-1 minicebola em conserva espetada em palito

 

Preparo

• Misture todos os ingredientes em um copo de mistura sobre o gelo e mexa até esfriar. Coe em um copo de coquetel. Enfeite com a cebola em conserva

 

» Receba as notícias da SABOR.CLUB diretamente no Telegram clicando aqui  
 

» Você já conhece o Clube Sabor? É o 1º clube de descobertas gastronômicas do Brasil. Entre para ter acesso a um mundo de sabores, e ler a edição do mês da revista Sabor.Club