O Café Fazenda Santa transforma aquela simples xícara de café em um momento único e especial -

O Café Fazenda Santa transforma aquela simples xícara de café em um momento único e especial

Café Fazenda Santa Rita: uma experiência excepcional de degustação

Blend com grãos de uma mesma região revela matizes de sabor num único gole

Da redação - Publicado em 18/11/2019, às 15h00

Diz na embalagem: aroma floral e delicado, com notas de mel. Na boca, notas de caramelo e laranja, delicada acidez, corpo cremoso e uma finalização de calda de açúcar queimado.

Uau, é mesmo possível esperar tanto de um cafezinho? Narizes e papilas mais experimentados, de fato, encontram os aspectos descritos – o que dá um prazer danado para quem realmente gosta de tomar um bom pretinho. E quem não desenvolveu tanta habilidade sensorial? Sente o mesmo prazer, porque, afinal de contas, toma um café que encanta a qualquer um.

Leia mais:

Em busca do café perfeito

Você conhece o chope de café?

+ Como fazer um bom café especial?

O que faz o Café Fazenda Santa Rita ser tão interessante é o processo com o qual é produzido, misturando grãos de cafezais distintos de uma mesma região, com graus de maturação diferentes. Numa produção de larga escala, com tecnologia de ponta em todas as etapas, o cafeicultor age aqui, mais ou menos, como um enólogo que mistura mostos e tempera o vinho com uma madeira usada daqui, outra nova dali – ou opta por barris de inox, só para exemplificar.

Esse é o aspecto bacana de abrir a cabeça e mergulhar num mundo de cafés, digamos, autorais, com um quê de diferença dos monovarietais. “Criamos uma marca para transformar o tradicional cafezinho em uma experiência para quem valoriza um produto de qualidade, observando as tendências mundiais”, diz Maria Beatriz Navarro Ribeiro, dona do negócio, ao lado da sócia, Taciana Ribeiro Oliva.

A Fazenda Santa Rita pertence é da família desde 1890. E é um marco para a pequena situada em Taguai, no interior paulista, que surgiu por conta na movimentação na propriedade. Na época, inúmeras famílias da primeira imigração italiana começavam a se mudar da chamada Zona do Café (Ribeirão Preto, Santa Rita do Passa Quatro, Descalvado) para o sertão do Alto da Fartura, onde fica a Santa Rita.

Ali, a região permite uma grande variação na características dos grãos, no oceano de cafezais. Eles, então, compõem os tais blends com sabores e aromas diferenciados. Há também a seleção de micro lotes e lotes premiados, para lançamentos sazonais. www.cafefazendasantarita.com.br

Clara ou escura?

Além dos grãos, a Santa Rita produz as cápsulas para máquinas Nespresso. Com um diferencial: há duas versões, com torra média ou torra escura, o que, basicamente, revelam sabores mais ou menos intensos.