-

Aloha! Nascida no Havaí com projeto sustentável, cerveja Kona é fabricada no Brasil

Pai e filho criaram a cervejaria que utiliza a energia solar no arquipélago das praias e boas ondas

Pedro Landim - Publicado em 29/07/2020, às 15h00

A areia fina termina em água mansa cor de turquesa, protegida por extensa bancada de coral. O pôr do sol é considerado um dos mais bonitos do arquipélago e a temperatura do mar fica em torno de 24°C, ideal para o corpo humano.

Mas vem da parte de baixo do termômetro, quer dizer, do fundo da geladeira, o “aloha líquido” de Kailua, na ilha havaiana de Honolulu. É o berço onde a cervejaria Kona nasceu com senso comunitário, investimentos em sustentabilidade e vocação para ganhar o mundo como best seller nas prateleiras, como vimos recentemente numa ação no Brasil.

 

LEIA MAIS

» Italiano Andrea Panzacchi faz sorvete de mortadela, ervilha e frutas do quintal

» Clube Sabor.Club: Bottarga Gold, Na’kau Chocolate, Big Wave Golden Ale, Azeite Aldeia Leal e Açafrão em Estigma

 

Em dias, caixas e mais caixas sumiram das prateleiras de grandes supermercados, em São Paulo, numa espécie de ação de pré-lançamento por aqui.

 

 

Mas a Kona já não era vendida no Brasil em sua versão importada? Sim, era. Agora, passa a ser fabricada no nosso solo, com as receitas originais das terras do Pacífico, comercializadas nas mesmas garrafinhas bojudas e charmosas, da marca. Entre elas, destaque para a Big Wave Golden Ale, uma American Blond Ale que traz uma uma ligeira sensação de dulçor de mel à leveza aromática dos maltes claros, com lúpulos Citra e Galaxy acentuando os cítricos e uma nota floral. Tudo encaixado de forma sutil e equilibrada com a espuma bem formada no copo. Pescou? Estamos falando e uma senhora cerveja para o dia a dia, sedosa e perfeita, por exemplo, para acompanhar frutos do mar.

A Kona nasceu de uma ação de pai e filho, Cameron e Spoon, dupla que inaugurou os tanques em 1994, no Havaí. De lá para cá, ela explodiu nos Estados Unidos, com alguns rótulos, incluindo a Longboard, American Lager que também passa a ser fabricada por aqui. Feita com esmero e suaves 4,6% no teor alcoólico, ela traz as notas de casquinha de pão do malte, finalizada com lúpulos nobres europeus como o Hallertau, típico das pilsens alemãs.

 

Vai para o Havaí?

Na ilha de Honolulu, a Kona mantém dois pubs

 

 

Lá, encontramos suas cerveja frescas nas torneiras, petiscos, sanduíches e pratos com harmonizações sugeridas para uma coleção de estilos disponíveis no Havaí. As pizzas, aliás, levam na massa os bagaços de malte usados na fabricação da cerveja, apenas uma pequena das muitas, e relevantes ações ecológicas de reaproveitamento e sustentabilidade no cenário das melhores ondas do mundo.

 

Cerveja verde

Não, não estamos falando daquela com corante vendida no St. Patrick’s Day

 

 

O título diz respeito ao conceito de ecologia que a Kona vem seguindo com, por exemplo, 50% de toda a energia gerada pela captação da luz solar, o reaproveitamento da água e os resíduos da fabricação levados a aterros sanitários. A cervejaria anuncia a doação anual e US$ 250 mil para organizações sem fins lucrativos como a Surfrider Foundation e a Blue Planet Foundation, e os planos grandiosos para 2020 incluem a inauguração de nova fábrica havaiana com capacidade anual para 100 mil barris, e um centro de recuperação de gás carbônico da produção cervejeira para reutilização em outras áreas da comunidade.

A Kona pertence à Craft Beer Alliance, grupo de cervejarias norteamericanas adquirido pela AB InBev, e tem plantas de fabricação em alguns estados americanos, inaugurando agora a produção no Brasil.

 

» Receba as notícias da SABOR.CLUB diretamente no Telegram clicando aqui  

 

>Esse e outros produtos você encontra no Clube Sabor.club. Ele é o 1º clube de descobertas gastronômicas do Brasil. Para conhecer, clique aqui.