-

Almanaque: Molho Lea & Perrins revive após dois anos no barril de carvalho

Primeira versão do famoso tempero inglês com tamarindo e anchova foi considerada horrível

Da redação - Publicado em 18/03/2021, às 12h00

 Em 1835, aristocrata inglês Lorde Sandys  aprende na Índia a receita de um molho cheio de ingredientes insuspeitados. Encantado com ele, volta para cidade de Worcester disposto a fabricar a iguaria.

2 - Com esboço da fórmula nas mãos, contrata dois químicos locais para recriar o tempero: John Weeley Lea e William Henry Perrins. A dupla busca ingredientes e especiarias de várias partes do mundo, como anchovas espanholas, e coloca as mãos na massa (ou no molho). 

 

 A primeira versão fica horrível! Com cheiro forte e sabor desagradável, o líquido é colocado num barril e guardado no subsolo da loja de Lea e Perrins

4 – Dois anos depois, eles resolvem se arriscar e provar o molho. E ele está... incrível! Com sabor complexo, provocante.  

 

 

5 - A mágica foi feita pela fermentação e pela maturação da mistura de vinagres de malte e álcool, anchovas, melado, tamarindo, cebola roxa, alho e especiarias.  

6 - Lea e Perrins então se dedicam à fabricação da mistura que, rapidamente, se espalha pelas cozinhas profissionais e caseiras da Europa.  

 

 

7 – Por causa da origem, passa a ser chamado de Worcestershire Sauce, o molho do condado de Worcester. 

8 - Em 1897, os irmãos abrem uma grande fábrica na cidade, até hoje uma histórica edificação de tijolos vermelhos com portão de ferro laranja, onde o molho continua sendo produzido.  

 

 

9 - A produção atual, na Inglaterra, é de 26 milhões de garrafinhas por ano, exportadas para mais de 130 países.  

10 – Menos para os EUA, onde há produção própria. O americano é tão apaixonado pelo molho que a fábrica em Nova Jersey faz ali o mesmo volume da produção mundial.  

11 - Além do rótulo cor de laranja, há versão das garrafinhas de 150 ml embrulhadas em papel branco, que lhe dão charme com a expressão: "Unrwap the flavor" (desenrole o sabor).  

12 – O papel é herança da época em que ele protegia as garrafinhas nas viagens de navio.  

 

De navio

Na época em os navios de passageiros era o must do transporte mundial, os irmãos Perrins fecharam um acordo com os comissários de bordo ingleses. Nele, as garrafinhas deveriam constar sobre todas as mesas de refeição.

Feito assim, há 183 anos

 

 

• As cebolas inteiras e com casca fermentam e maturam no vinagre por 18 meses, assim como as cabeças de alho, em barris separados

• As anchovas vêm da Espanha e são colocadas na salmoura, seu processo tradicional de cura, onde ficam por cerca de dois anos desenvolvendo sabores e aromas complexos.

• Os barris são mesclados ao final num tanque, com a pasta de tamarindo, o melado e as especiarias ‘secretas’, onde descansam por mais dois meses Só então o molho é filtrado, pasteirizado e envasado, sem aditivos químicos.

 

» Receba as notícias da SABOR.CLUB diretamente no Telegram clicando aqui  
 

» Você já conhece o Clube Sabor? É o 1º clube de descobertas gastronômicas do Brasil. Entre para ter acesso a um mundo de sabores, e ler a edição do mês da revista Sabor.Club