O peru é um dos pratos tradicionais de grandes celebrações -

O peru é um dos pratos tradicionais de grandes celebrações

8 curiosidades sobre o peru, prato típico do Natal

Símbolo de poder e fartura, o peru acende a esperança de que dias melhores sempre vêm

Da redação - Publicado em 22/12/2019, às 09h00

1 - Nativo da América do Norte, o Peru circulava selvagem livre e solto pelo continente quando chegaram os exploradores-caçadores e o transformou em troféu, símbolo e poder e fartura.

2 - Levado para a Europa, a “galinha das Índias, como o peru era chamado, tomou lugar do cisne na mesa da nobreza, durante as celebrações.

Leia mais:

Panetone: a história do clássico do Natal

Dicas de harmonização com peru de Natal

10 passos para fazer o peru perfeito de Natal

3 - Enquanto isso, nos EUA, passou a ser criado em cativeiro e virou símbolo do dia de Ação de Graças. Afinal, revelou-se um animal que engorda rápido e alimenta muita gente de uma só vez.

4 - Desde então, toda quarta quinta-feira do mês de novembro, os americanos se reúnem à mesa para agradecer pelas conquistas da vida e fazer votos esperançosos para que venham dias ainda melhores.

5 - Todos os anos 50 milhões de perus são consumidos na América, apenas na festiva data ianque. Sempre assado, jamais cozido.

[Colocar Alt]

6 - De acordo com o antropólogo francês Claude Lévi Strauss, quem opta por assar a ave abre mão dos seus sucos, para substituílos por outros – exatamente como acontece no preparo do peru.

7 -  Quando à mesa, a ave deve ser cortada por uma figura fundamental na cerimônia da ceia: o ou a trinchante.

8 - Ele é o chefe ou a chefe da família, a figura poderosa que leva a ave para a mesa, que deve seguir um ritual: De pé ou sentado, ele ou ela deve amolar a faca vistosamente. Então, pergunta aos convidados, de acordo com a posição à mesa, qual é a parte que gostaria de degustar. Com ou sem molho.

 

Subiu, está pronto

- O “peru que avisa quando está pronto” veio da Califórnia para o Brasil em 1968.

- As 1500 aves importadas colocaram seus primeiros ovos e quatro anos depois, os perus que deles nasceram foram os primeiros a serem abatidos.

- Em 1980, surge o termômetro, com tecnologia ianque. Ele tem uma liga metálica sensível ao calor, que libera uma mola quando atinge a temperatura ideal.

Mais molhadinho

O pão com manteiga e cebola, colocado dentro a ave, transmite umidade de dentro para fora, quando ela está no forno. Na hora de comer, a mistura é um ótimo acompanhamento. Quer sofisticar? Que tal acrescentar frutas secas, bacon tostado...? O céu é o limite.

“Peru resto de festa”

Mario de Andrade e a ave, em conto brilhante

[Colocar Alt]

Em o Peru de Natal, o autor descreve a ceia sem a “parentada do diabo” que devorava o peru todo e só deixava parcos nacos para que a mãe e a tia comessem, no enterro dos ossos, “perdidos no arroz alvo”. “Na verdade, ninguém sabia de fato o que era peru em nossa casa, peru resto de festa”

Veja também:

Como é o Natal ao redor do mundo?

8 livros de gastronomia para presentear no Natal

As melhores harmonizações para a ceia de Natal

 

Este texto foi publicado originalmente na revista Sabor.club #23 que está na melhores bancas por todo Brasil. E também na banca digital www.zinio.com. 

ASSINE JÁ A REVISTA SABOR.CLUB. DESCONTOS DE ATÉ 76%

Leia também