-

Você conhece o mate de terroir?

A erva nativa das florestas do Paraná é doce e se diferencia pelo sabor

Da redação - Publicado em 05/06/2018, às 14h45

Nunca se falou tanto em chá verde e preto e suas variações, certo? O que nem todo mundo sabe é o que, de fato, diferencia esse tipo de erva. Ambos os tipos vêm da Camellia sinensis e o que os faz diferentes são estágios de maturação da folha, processos de colheita e de secagem. E também técnicas de fermentação.

Baseado em todo esse case global, a Associação de Produtores de Erva-Mate de São Mateus do Sul, no Paraná, vem desenvolvendo um projeto revolucionário para o produto no Brasil: o mate de terroir.

O “ouro verde do Paraná” cresce na mata nativa, à sombra das araucárias. Na boca, é mais saboroso e suave do que o produzido em extensas plantações.

Para garantir a qualidade do produto, a Embrapa, com o apoio do INPI, criou o registro de Indicação Geográfica. Ele atesta a identidade do produto, a partir da origem (solo e clima da região) somado ao método de cultivo que garante um padrão diferenciado. A boa ervamate é avaliada também considerando as boas práticas agrícolas e de fabricação, a rastreabilidade, a responsabilidade social e o respeito ao ambiente.

“O mate é um patrimônio da nossa cultura. Por que não valorizar isso?”, defende o sommelier de chás Gustavo Musialak. Na Baldo, empresa centenária de erva-mate, a maior exportadora do produto no Brasil, ele tem se dedicado a experiências como a fermentação das folhas por 12 meses e, depois, na torra do chá-mate em processos nada convencionais, como estamos acostumados a ver. “Ela pode ser suave ou amarga. Quando feita a partir da erva fermentada, dá origem a inúmeras nuanças de sabor. É fascinante. Estamos diante de um universo sem fim”.

 

* A erva-mate nativa, Baldo, faz parte do Clube Sabor.club #8. Quer receber este e outros produtos cuidadosamente selecionados pela Sabor.club? Assine aqui.